21 de jan de 2010

COMPLICAÇÕES AGUDAS DO DIABETES

Dra.Jane Feldman


As complicações agudas do diabetes são aquelas que se instalam rapidamente, em horas ou dias. As mais graves são o coma ceto-acidótico, o coma hiperosmolar e a hipoglicemia. Todas elas são graves e implicam risco de vida, caso o paciente não seja tratado a tempo. Por outro lado, são passíveis de tratamentos relativamente simples, mesmo em hospitais ou prontos-socorros também relativamente simples.

As complicações agudas do diabetes em geral são dramáticas, pois os pacientes estão bem e, em pouco tempo, parecem estar gravemente enfermos. O lado bom é que, se bem cuidados, em pouco tempo voltam a estar bem de novo. Dentre as complicações agudas, destacamos as seguintes:

CETO-ACIDOSE DIABÉTICA

A ceto-acidose diabética é uma circunstância que ocorre toda vez que não há insulina em quantidades suficientes para metabolizar a glicose. Ela pode ser desencadeada pela ingestão abusiva de carboidratos e por situações de stress físico ou emocional. Stress físico ocorre quando o paciente é acometido por uma outra patologia, por exemplo uma amigdalite ou uma apendicite. Em situações de stress o corpo libera uma grande quantidade de hormônios hiperglicemiantes, isto é, hormônios que fazem o açúcar sangüíneo se elevar. Como não existe insulina em quantidade suficiente, as gorduras e proteínas armazenadas começam a ser quebradas, produzindo paralelamente substâncias ácidas conhecidas como
corpos cetônicos. Quando isso ocorre a pessoa sente-se muito mal. Pode ficar confusa, sua respiração torna-se mais rápida e profunda, o hálito tem cheiro de acetona, pode apresentar fraqueza intensa, náuseas, vômitos e dores abdominais. A ceto-acidose é uma complicação grave do diabetes. É mais freqüente no diabetes insulino-dependente e pode levar à morte se não for devidamente tratada. Apresentando esses sintomas o paciente deve procurar imediatamente seu médico ou um Pronto Socorro. O ideal é que a pessoa perceba quando a glicemia está subindo, antes de chegar à fase de cetose, através de sintomas como poliúria, polidipsia, polifagia, perda de peso, sensação de fraqueza, mal estar, visão embaçada, etc. e procure o médico.

COMA HIPEROSMOLAR

O coma hiperosmolar não cetótico em geral se apresenta no diabetes tipo II, freqüentemente sendo desencadeado por excessos alimentares ou por uma doença intercorrente. Como esses pacientes tem uma certa reserva de insulina, eles não desenvolvem a cetose. Como o coma hiperosmolar instala-se mais insidiosamente, os níveis de glicemia são muito elevados e as principais queixas se devem à desidratação e alterações a nível de sistema nervoso, que variam, conforme a gravidade do quadro, de um
simples torpor a coma profundo. É também um quadro de bastante gravidade e risco de vida se não for devidamente tratado.

HIPOGLICEMIA

O termo hipoglicemia significa que os níveis de glicose no sangue estão abaixo do normal. A glicose é uma das principais fontes de energia para nossas células, mas para as células do sistema nervoso, é a única fonte. Para essas células, ficar sem energia por tempo prolongado pode produzir danos severos e irreversíveis. Para garantir o bem estar e o bom
funcionamento do organismo, como um todo, a glicemia deve ser mantida dentro de limites estáveis, o que se consegue através da interação entre ingestão de glicose, sua liberação de depósitos endógenos e a liberação de vários hormônios. Hormônios da família dos glicocorticóides, adrenalina, glucagon, hormônio de crescimento e a insulina participam da
regulação dos níveis de glicose sérica. Os dois primeiros são muito importantes em situações de stress. Dentre estes, o mais importante é, sem dúvida nenhuma, a insulina. A insulina, como já foi dito, é produzida pelas células beta, localizadas nas ilhotas de Langerhanz, no interior do pâncreas. O principal estímulo à secreção de insulina é o
aumento dos níveis de glicose no sangue.

Em geral quando há uma queda dos níveis séricos de glicose, o paciente tem manifestações clínicas que variam do imperceptível, passando por sensação de sonolência, fome ou fadiga, cefaléia, tontura, visão dupla, sudorese profusa, tremores, palpitação, mudanças de humor, distúrbios de comportamento, sensação de parestesia ou paresia até chegar, nos casos
mais graves, a apresentar convulsões e coma. A hipoglicemia é um distúrbio evitável. Pode ocorrer nas seguintes situações:

* quando o diabético omite refeições, atrasa suas refeições ou come
muito pouco
* quando apresenta vômitos e diarréia
* quando pratica exercícios físicos excessivos (esportes ou trabalho
pesado), principalmente não estando bem alimentado
* por doses excessivas de insulina ou hipoglicemiantes orais
* por excesso de bebidas alcoólicas, que impedem a liberação de glicose
pelo fígado

Quando o paciente apresentar sintomas, o ideal é que ele faça uma determinação da glicemia, para confirmar o diagnóstico de hipoglicemia. Isso é importante para que ele aprenda a reconhecer os seus sintomas, mas para seu médico essa informação é fundamental na hora de fazer os acertos da medicação. No entanto esse procedimento não deve retardar o tratamento da hipoglicemia, que deve iniciar-se o mais prontamente
possível.

Muitos diabéticos, com o tempo, podem não apresentar sintomas de hipoglicemia, ou apenas uma leve sonolência com a mesma. As razões para isso são complexas. Os diabéticos susceptíveis a essa situação devem evitar manter seus níveis de glicemia abaixo de 100 mg/dl, fazendo monitorizações de glicose com maior freqüência. O objetivo imediato do tratamento é elevar o açúcar no sangue, que se encontra muito baixo, restaurando o bem estar. Para isso o paciente deve ingerir alguma forma de açúcar de fácil absorção:

* açúcar comum ou água com açúcar
* bala, bombom ou outros doces
* sucos de fruta, leite ou outras bebidas contendo açúcar (não adianta
usar bebidas ou outros alimentos indicados para diabéticos pois estes
não contêm açúcar)

Se o paciente estiver inconsciente, não administre líquidos. É preferível colocar açúcar sob a língua ou apenas na boca do paciente. Em caso de hipoglicemia severa, essas medidas podem não surtir efeito. O paciente deve então ser removido a um pronto-socorro, onde receberá Glicose ou Glucagon injetáveis.

Pacientes diabéticos devem sempre carregar balas ou bombons, juntamente com um cartão de identificação de diabético. Além disso, parentes e amigos devem sempre ser orientados quanto ao que fazer nessas circunstâncias.

O paciente portador de diabetes pode também dispor de Glucagon em sua farmácia caseira. O Glucagon também é um hormônio produzido pelo pâncreas, com ação inversa à da insulina, ou seja, ele eleva os níveis de glicose na circulação. Ele é apresentado em 2 frascos, um com o pó Glucagon (a apresentação disponível nas farmácias contém 1mg) e o outro com diluente. Após limpar a tampa de borracha do frasco de diluente com álcool, aspirar com a seringa de insulina 1 cc do mesmo e injetar no frasco que contém o pó. Agitar o frasco para que o Glucagon em pó possa dissolver-se no líquido. Usando a mesma seringa de insulina, aspirar 0,5cc dessa solução e aplicar por via subcutânea, de maneira semelhante à aplicação de insulina. Caso o paciente não se recupere em 10 a 15 minutos, deve ser conduzido a um hospital.

Para evitar a hipoglicemia o paciente deve seguir estritamente as doses de medicação prescritas pelo seu médico. Não deve ingerir outros medicamentos, receitados por outros médicos sem consultar seu diabetologista, pois muitos medicamentos interagem com os
hipoglicemiantes, potencializando sua ação e induzindo hipoglicemia.

Procure seguir as orientações dietéticas, respeitando o número de refeições, jamais deixando de se alimentar. Caso pretenda mudar suas atividades físicas, seja por mudanças no trabalho ou por pretender iniciar a prática de um esporte, converse com seu médico para que proceda uma adaptação em sua dieta e plano terapêutico.



Dra.Jane Feldman
Endocrinologista - São Paulo - SP